sábado, 4 de setembro de 2010

Pelos rastros das estrelas

Sigo-a ofegante

Encontro-a em mútuos devaneios

Com a languidez do surrar o esquerdo

O cansaço é dilacerante

A beira do enfermo

Meus passos calam o ensurdecedor silêncio

O qual só reencontro quando a lembro

Contorno o meu desespero

Voltando aos passos lentos

O verde desbotado das arvores

Contemplam minha desventura

Em busca pelos rastros da saudade

Perco-me

Preciso desvairadamente encontrar-te

Meus olhos paralisam-se ansiosos

Para vê-la e aplaudi-la

Extasiados saudando o fim de toda espera

Por Tayllor Sena

3 comentários:

  1. nossa que texto forte
    gostei muito
    gostei da maneira como escreve...
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Olha só!!!!
    Huuuummm...
    Meus passos são meio lentos, mas é pq é longe pra caramba! Mas eu chego aí! Rsrsrsrs!
    Me espera na janela! :)
    Bjão

    ResponderExcluir
  3. o amor é sempre forte e ofegante!

    ResponderExcluir